Téo Costa Posted on 17:52

Apple e Google estão removendo aplicativos a pedido do governo russo. É uma ameaça à liberdade de expressão

Acreditamos que a liberdade tem suas próprias limitações e, no mundo da mídia, regras rigorosas são definidas para evitar abusos e desinformação, entre outras coisas. No passado, grandes empresas de tecnologia renomadas em todo o mundo concordaram em se alinhar com as leis locais, bem como proteger os direitos civis e, ao mesmo tempo, divulgar seu impacto. Portanto, é óbvio que as leis são definidas para controlar e prevenir abusos. Mas o que acontece quando os regimes ditatoriais em todo o mundo sufocam a oposição e as vozes dissidentes sem direito de palavra? As empresas de tecnologia deveriam se sentir intimidadas por esse termo impróprio? Definitivamente não.

Mas há preocupações e preocupações, pois duas das maiores empresas de tecnologia do mundo, Apple e Google, obviamente capitularam aos ditames do governo russo ao remover de sua loja de aplicativos um aplicativo da oposição política que ameaça as autoridades russas. Põe em questão a racionalidade das decisões das empresas de tecnologia, curvando-se a éditos antidemocráticos em detrimento dos direitos de seus usuários, para manter seu fluxo consistente de lucros.

O aplicativo conhecido como ‘Smart Voting’ é uma ferramenta da oposição para divulgar informações antes das eleições que ocorreram no fim de semana. O aplicativo foi visto pelo governo da Rússia como uma ferramenta de ataque ao presidente Vladimir Putin por reflexões pró-governo e, portanto, as empresas de tecnologia que aderiram às exigências do governo podem ser cúmplices em avaliar a liberdade de expressão.

Nações menos democráticas ao redor do mundo sempre tentarão acabar com a oposição, mas seria mais preocupante se empresas poderosas como Apple, Google e outras grandes empresas como Amazon, Microsoft e Facebook, que se tornaram mais poderosas na última década, mantivessem curvando-se a essas demandas misteriosas de governos ditatoriais.

“Agora, este é o garoto-propaganda da opressão política”, disse Sascha Meinrath, professor da Penn State University que estuda questões de censura online. O Google e a Apple “aumentaram a probabilidade de isso acontecer novamente”.

Houve relatos de que o Google estava na corda bamba com demandas legais por reguladores russos em meio a ameaças veladas de processos criminais de seus funcionários se a empresa não cumprisse as diretivas do governo. Também foi relatado que a polícia russa visitou o escritório do Google em Moscou na semana passada para fazer cumprir uma ordem judicial local para bloquear o aplicativo.

Deixe um comentário