Téo Costa Posted on 18:40

A pandemia de coronavírus continua a prejudicar a carreira das mulheres

Após mais de um ano e meio de pandemia de coronavírus, as mulheres continuam a sentir os efeitos do COVID-19 em suas carreiras.

No relatório anual Women in the Workplace da consultoria McKinsey & Company e da Lean In, uma organização sem fins lucrativos de defesa da mulher, os dados mostram que ainda mais mulheres estão lutando com suas carreiras do que no ano passado. Quarenta e dois por cento das mulheres disseram que se sentiam esgotadas “com frequência ou quase sempre”, contra 32% em 2020. Isso contrasta com 35% dos homens, contra 28% no ano passado.

Cerca de uma em cada três mulheres está pensando em deixar o mercado de trabalho ou reduzir sua carreira, contra uma em cada quatro no ano passado.

O relatório também descobriu que as mulheres em cargos de liderança estão avançando em áreas como diversidade, equidade e inclusão (DEI) e apoio ao bem-estar dos funcionários, mas não estão sendo notadas por isso.

“Seus esforços estão gerando melhores resultados para todos os funcionários – mas eles não estão recebendo o reconhecimento que merecem”, disse o relatório.

Os funcionários entrevistados disseram que as gerentes do sexo feminino gastam mais tempo do que os gerentes do sexo masculino para garantir que as cargas de trabalho dos funcionários sejam administráveis, ajudando-os a enfrentar os desafios da vida profissional e fornecendo suporte emocional.

“As empresas não podem se dar ao luxo de perder os sinais de atrito de talentos. É hora de investir nos líderes que mantiveram as empresas à tona ao longo dos desafios dos últimos dois anos”, disse Lareina Yee, sócia sênior da McKinsey.

O relatório segue o aviso sombrio do ano passado de que a pandemia estava estrangulando as carreiras das mulheres e prejudicando os seis anos anteriores de progresso. Dados do US Census Bureau mostraram que, no início de 2021, 10 milhões de mães com filhos em idade escolar não estavam trabalhando ativamente – 1,4 milhão a mais do que no ano anterior. De acordo com o National Women’s Law Center, as mulheres foram responsáveis ​​por todas as perdas de empregos na força de trabalho dos EUA em dezembro de 2020.

Os dados também vêm com vários artigos no último ano e meio discutindo como a pandemia pode afetar a carreira das mulheres , incluindo como as mulheres tendem a arcar com o peso das responsabilidades familiares e estão se esgotando.

Para montar o estudo, a McKinsey e a Lean In pesquisaram 423 empresas e mais de 65.000 indivíduos.

O estudo menciona outros problemas persistentes para as mulheres. Por um lado, as mulheres negras continuam a experimentar microagressões no mesmo ritmo de dois anos atrás. A Harvard Business Review define microagressões como “indignidades verbais, comportamentais e ambientais que comunicam insultos e desprezos raciais hostis, depreciativos ou negativos à pessoa ou grupo alvo”. Essas são declarações que podem parecer inocentes, mas na verdade carregam suposições e estereótipos.

Por exemplo, 17% das mulheres negras e asiáticas foram confundidas com alguém que compartilha sua raça ou etnia, em comparação com 4% das mulheres brancas. Nesse sentido, 18% das mulheres negras, 13% das mulheres hispânicas e 11% das mulheres asiáticas tiveram colegas de trabalho expressando surpresa com sua linguagem ou outras habilidades, em contraste com 5% das mulheres brancas.

“O relatório deste ano deve servir como um alerta”, disse Rachel Thomas, co-fundadora e CEO da Lean In. “Apesar dos compromissos ousados ​​com a igualdade racial, as experiências das mulheres negras não estão melhorando.”

Falando sobre esse impulso para a DEI, 93% das empresas se comprometeram no ano passado a aumentar o foco na equidade racial. Enquanto isso, 41% dos funcionários pesquisados ​​acham que isso realmente aconteceu, caindo para 35% para as mulheres de cor.

As empresas também ainda lutam para colocar as mulheres em posições de liderança. Em anos anteriores, o relatório discutiu o “degrau quebrado”, que é a ideia de que menos mulheres são promovidas ao seu primeiro cargo de gerência, afetando o número de mulheres em cargos de liderança mais altos.

Para cada 100 homens que conseguem uma promoção de primeiro gerente, há 89 mulheres brancas e 85 mulheres de cor. Embora o número de mulheres negras nessa estatística tenha subido de 79 em 2019, o relatório disse que ainda não há mulheres suficientes na gerência média para serem promovidas a cargos de chefia.

“Ao longo de sete anos de dados de pipeline, vemos a mesma tendência relativa ao pipeline corporativo”, disse o relatório.

Publicado pela primeira vez em 26 de setembro de 2021 às 21h01, horário do Pacífico.

Deixe um comentário