Kim Dotcom pode ser extraditado para os EUA, mas também pode apelar

Kim Dotcom
legenda da imagemKim Dotcom nega todas as acusações

Um esforço de longa data para extraditar o magnata do site de compartilhamento de arquivos Kim Dotcom para os Estados Unidos foi deixado no limbo após uma decisão da Suprema Corte na Nova Zelândia.

O tribunal decidiu que ele pode ser devolvido aos EUA para enfrentar acusações de direitos autorais – mas também anulou a decisão de outro tribunal inferior, garantindo-lhe efetivamente o direito de apelar.

O próprio Dotcom descreveu a decisão como uma “mistura mista”.

A disputa legal provavelmente continuará.

O tribunal decidiu que Kim Dotcom e seus três co-acusados ​​eram responsáveis ​​pela extradição em 12 das 13 acusações que o FBI está tentando acusar.

Mas também decidiu que o Tribunal de Recurso cometeu um erro ao indeferir os pedidos de revisão judicial do Sr. Dotcom e concedeu-lhe o direito de continuar com eles.

O FBI alega que o Megaupload facilitou a violação de direitos autorais em grande escala, mas os advogados de Dotcom argumentam que o site nunca teve como objetivo encorajar violações de direitos autorais.

Se for extraditado, pode pegar uma longa pena de prisão.

Figura polêmica

Em resposta à decisão, ele tweetou uma declaração de seus advogados que dizia: “Para a equipe Dotcom, e especialmente para Kim e sua família, é uma mistura de coisas”.

“Não há uma determinação final de que ele vá para os Estados Unidos. No entanto, o tribunal não aceitou nosso importante argumento de copyright e, em nossa opinião, fez determinações significativas que terão um impacto imediato e assustador na internet”.

A figura polêmica fundou o site de compartilhamento de arquivos Megaupload em 2005 e ganhou milhões de dólares com publicidade e assinaturas premium.

A certa altura, ele se gabou de ser responsável por 4% do tráfego da Internet.

Em 2012, ele foi preso quando a polícia armada invadiu sua casa em Auckland em uma incursão dramática na madrugada, que mais tarde se tornaria o assunto de seu próprio inquérito legal, quando Dotcom o processou por danos.

Um tribunal distrital na Nova Zelândia decidiu em 2015 que ele poderia ser extraditado, mas uma série de apelações e revisões judiciais se seguiram.

Os advogados de Dotcom argumentaram que suas ações não constituíam ofensas criminais na Nova Zelândia e, portanto, não eram extraditáveis.



Author: Téo Costa
Téo Costa Consultor em Marketing Digital com foco no E-commerce. Especialista em estratégias de alta performance para pequenas e médias empresas. Tenho ajudado empresas e seus gestores a determinar orçamentos e objetivos para o Marketing Digital. Trabalho com as mais avançadas técnicas de otimização de conversões, Geração de Leads e mensuração de resultados, para ajudar empresários, executivos e gestores a maximizar o retorno de seu investimento nas estratégias de Marketing Digital.

Deixe uma resposta