A INTERNET COMO MEIO DE DIVULGAÇÃO

É fato que a comunicação entre e dentro das empresas está caminhando para a Internet, utilizando, fortemente, as redes sociais e os sites que permitem a interação e a produção de conteúdo pelos usuários.

Sites como Facebook, Twitter, buscadores através dos quais o usuário consegue interagir com a empresa explanando suas experiências com diversos produtos, estão, cada vez mais, sendo usados.

As empresas devem explorar isso de forma cuidadosa, pois uma reclamação do consumidor pode não ficar mais somente entre este e a empresa; se o consumidor estiver insatisfeito poderá divulgar sua opinião negativa abertamente em sua rede social.

Seria ideal que as empresas usassem essas redes a seu favor, dessa forma poderiam administrar determinadas questões para que sua imagem não ficasse prejudicada por conta de algumas reclamações. Essas insatisfações podem ficar publicadas “eternamente” e até aparecerem como resultado em sites de buscas, mesmo que o problema já tenha sido resolvido há algum tempo, ou seja, uma busca de um determinado produto em um site poderá ter como resposta a insatisfação registrada por alguns consumidores que trocaram impressões sobre o produto, e o possível consumidor, com certeza, será influenciado por ela e irá ajudar a construir uma imagem negativa do produto por conta disso.

Por esse motivo, as empresas devem ser assessoradas por profissionais qualificados que saibam dar o devido suporte a essa nova maneira de agir do consumidor. Esses profissionais devem desenvolver um planejamento estratégico para evitar que o problema ocorra, mas, se ocorrer, ele deve estar preparado para controlar a situação.

Uma rede social que discute sobre um determinado produto pode e deve receber visitas de fabricantes do ramo do produto em questão, para, de forma sucinta, fazer propagandas. Isso, desde que feito de maneira correta, é uma forma menos intrusiva e direcionada de fazer marketing, pois o público-alvo já está ali agrupado e discutindo sobre produtos de seu interesse, ou seja, são pessoas que estão propícias a receber informações sobre ele.

No mundo atual, não é aconselhável inserir, nessas comunidades, propagandas diretas, como banners dos produtos, imagens ou outro tipo de propaganda intrusiva. O ideal seria que funcionários qualificados interagissem com esses consumidores, ou possíveis consumidores, como um consultor on-line, ou então, sendo de preferência da empresa, usar uma estratégia um pouco mais discreta e menos intrusiva, inserindo links patrocinados.

É importante que fique claro que a empresa não deve enganar os consumidores fazendo com que seus funcionários passem por consumidores, mas, sim, deve treinar funcionários para que possam ajudar os consumidores respondendo a algumas dúvidas referentes a determinados produtos.

O marketing está mudando, estamos acostumados a receber, de forma unidirecional, o marketing da empresa sobre um determinado produto. No entanto, essas redes sociais acabam alterando essa forma de ser, ou seja, os novos consumidores irão comprar um produto pelo que outros contam dele, portanto serão influenciados pelos que já compraram. As empresas devem ficar atentas para levantar o perfil desses consumidores. Há ferramentas que conseguem dados preciosos sobre o consumidor: qual produto foi consultado por ele, que páginas foram navegadas, a que estado ele pertence.

Com essas informações consegue-se exibir publicidades diferenciadas, de acordo com o perfil traçado por meio das informações de navegação. Por isso, as que não se adequarem ao cenário da Internet, disponibilizando informações através de sites ou qualquer outro tipo de rede social, de alguma forma, serão levadas a esse meio de comunicação pelas próprias redes sociais, pois serão lembradas ou pelos bons serviços ou pelos maus serviços prestados aos consumidores. É certo que o último caso é bem mais divulgado que o primeiro, ou seja, as empresas são lembradas mais pelo mau atendimento que pelo bom atendimento.

Há sites específicos (http://www.reclameaqui.com.br/) que permitem aos consumidores fazerem reclamações e consultar como as empresas tratam uma determinada reclamação.

O interessante neste site é que as reclamações são passadas para as empresas e estas têm de responder, de forma pública, apontando a solução que será dada ao problema relatado.



Author: Téo Costa
Téo Costa Consultor em Marketing Digital com foco no E-commerce. Especialista em estratégias de alta performance para pequenas e médias empresas. Tenho ajudado empresas e seus gestores a determinar orçamentos e objetivos para o Marketing Digital. Trabalho com as mais avançadas técnicas de otimização de conversões, Geração de Leads e mensuração de resultados, para ajudar empresários, executivos e gestores a maximizar o retorno de seu investimento nas estratégias de Marketing Digital.

Deixe uma resposta